.mais sobre mim

Envia-me um e-mail

.pesquisar

 

.posts recentes

. Garrano

. Urso pardo

. Hamster

. O coelho

. Os Golfinhos

. Carta ao Verdinho - Escol...

. PATO-REAL

. A LONTRA

. O GANSO

. Melro-metálico

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

|ESPAÇO CRIANÇA| |DICAS VERDES| |DIAS AMBIENTAIS| |ANIMAIS|

|PLANTAS| |AMBIENTE| |HISTÓRIAS E JOGOS| |SONDAGENS|
Quarta-feira, 9 de Junho de 2010

Cágado-de-carapaça-estriada

 

Nome comum:

Cágado-de-carapaça-estriada

 

Nome científico:

Emys orbicularis (Linnaeus, 1758)

 

Morada:

É uma espécie de réptil residente e autóctone.

Em Portugal tem uma distribuição fragmentada.

Na maioria dos casos as observações referem espécimes isolados ou pequenas populações.

Observaram-se também algumas populações dispersas. É o caso da Reserva Natural Local do Paul da Tornada (Caldas da Rainha), nas Lagoas do Prado (Vila Verde) e na zona de Figueira de Castelo Rodrigo.

A nível mundial, o cágado-de-carapaça-estriada ocupa uma grande área de distribuição, desde o Noroeste de África, de Marrocos à Tunísia, o Centro e Sul da Europa, da Península Ibérica à região do Mar Cáspio, e a região ocidental da Ásia, do Noroeste de Irão e Iraque ao Norte da Síria.

Não se encontraram em Portugal destes cágados acima dos mil metros de altitude.

 

Género:

Os machos tendem a ser mais pequenos e o seu plastrão (ventre) costuma ser côncavo, o que faz todo o sentido para facilitar o acasalamento. As caudas dos machos costumam ser mais compridas e grossas.

 

Comportamento:

Gostam de se aquecer ao sol nas margens. Porém, quando são surpreendidos atiram-se rapidamente à água, onde se refugiam.

Estes cágados encontram-se activos praticamente durante todo o ano, a partir dos 14º C, podendo hibernar nas zonas frias. Podem também adoptar períodos de estivação nas regiões mais quentes.

 

Alimentação:

Nutre-se de invertebrados como caracóis, coleópteros, dípteros, aracnídeos, incluindo na ementa insectos com fases larvares aquáticas.

 

Filiação e nascimento:

Pertence à família Emydidae.

A maturidade sexual dos machos é atingida entre os 8 e os15 anos; nas fêmeas entre os 10 e os 18 anos.

Acasalam por altura de Abril/Maio, geralmente na água. As fêmeas põem de 5 a 12 ovos, num pequeno buraco escavado, que depois cobre de terra, frequentemente afastado da água. A postura eclode ao fim de dois a três meses de incubação.

 

Habitat:

Margens de ribeiros e lagos, de águas calmas, ou seja, habitats de água doce ou de baixa salinidade, de águas paradas ou de corrente lenta, permanentes ou temporários, tais como charcos, albufeiras, represas, rios e ribeiras.

A bibliografia diz que o cágado-de-carapaça-estriada prefere locais com uma boa cobertura de vegetação aquática mas pequena cobertura da vegetação das margens.

A drenagem e aterro de zonas húmidas para aproveitamento agrícola, florestal e/ ou urbanístico, leva ao desaparecimento e fragmentação dos habitats desta espécie, associada particularmente aos charcos temporários.

 

Comprimento:

Tamanho máximo de cerca de 15 cm.

 

Curiosidades:

Em Portugal há só duas espécies de cágado e o que preenche este tema — cágado-de-carapaça-estriada — é o mais raro. O outro, mais habitual, chama-se Mauremys leprosa e tem por nome vulgar cágado-mediterrânico.

A esperança de vida do cágado-de-carapaça-estriada é de 40 a 60 anos.

Esta espécie é particularmente frágil. Uma tardia maturidade sexual das fêmeas associada a baixas taxas de fecundidade e a uma mortalidade infantil elevada implicam uma taxa de crescimento populacional muito baixa e uma reduzida capacidade de recuperação de impactos negativos.

Não admira que se considere estarem as suas populações em regressão em grande parte da sua área de distribuição.

 

Bibliografia:

«Plano Sectorial da Rede Natura 2000», Janeiro 2006, Fauna: anfíbios e répteis.

 

Conteúdo Desenvolvido por:
 
Parque Biológico de Gaia
http://www.parquebiologico.pt
tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 11:39
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres